maio 2014

NOTA DE ABERTURA

Ao longo deste ano de 2014, e inserida nas comemorações do Ano Internacional da Agricultura Familiar (AIAF), está a ser promovida uma ampla discussão e cooperação de âmbito internacional, nacional e regional para aumentar a consciencialização e entendimento dos desafios que os agricultores familiares enfrentam e ajudar a identificar maneiras eficientes de os apoiar.

Para além de outros eventos, no Alentejo, terá lugar um seminário regional com o qual se pretende contribuir para reposicionar a agricultura familiar no centro das políticas agrícolas, ambientais e sociais, bem como nas agendas nacionais, identificando lacunas e oportunidades para promover uma mudança, rumo a um desenvolvimento mais equilibrado e sustentável.

Para um esclarecimento mais alargado sobre o tema e para divulgação das iniciativas promovidas e a promover pelos atores envolvidos no AIAF, a Comissão Organizadora do Seminário Regional do Alentejo lança agora esta Newsletter, com informação sobre os três tópicos que constam seguidamente.

INFORMAÇÕES SOBRE O SEMINÁRIO DO ALENTEJO PARA COMEMORAÇÃO
DO ANO INTERNACIONAL DA AGRICULTURA FAMILIAR

O Seminário Regional do Alentejo integrado nas comemorações do Ano Internacional da Agricultura Familiar, irá decorrer na Universidade de Évora, no dia 9 do próximo mês Julho, e visa:

  • Promover a visibilidade da agricultura familiar bem como o seu contributo para a erradicação da fome e pobreza e melhoria dos meios de subsistência da população Alentejana.
  • Evidenciar o importante papel da agricultura familiar na manutenção do território, na gestão dos recursos naturais e na proteção do meio ambiente.
  • Identificar e compreender os desafios que a agricultura familiar do Alentejo enfrenta.
  • Identificar e divulgar as boas práticas seguidas na agricultura familiar como motor para o desenvolvimento sustentável do Alentejo.
  • Destacar a importância do associativismo como uma boa prática da agricultura familiar do Alentejo.
  • Contribuir para que a agricultura familiar seja reposicionada no centro das políticas agrícolas, ambientais e sociais nas agendas regional e nacional.
  • Identificar oportunidades para promover uma mudança rumo a um desenvolvimento mais equitativo e equilibrado.
  • Identificar formas eficientes de apoiar a agricultura familiar do Alentejo.

O evento é promovido pela Associação Portuguesa de Economia Agrária (APDEA), Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Alentejo (DRAPAL), Sociedade Portuguesa de Estudos Rurais (SPER), Associação Portuguesa de Desenvolvimento Regional (APDR), Federação Minha Terra e Animar.

Informações adicionais podem ser obtidas através do seguinte endereço electrónico: aiaf2014alentejo@gmail.com.

INFORMAÇÕES SOBRE O ANO INTERNACIONAL DA AGRICULTURA FAMILIAR

Na 66.ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, 2014 foi formalmente declarado o “Ano Internacional da Agricultura Familiar”, propondo a sensibilização dos governos e das sociedades sobre a importância e a contribuição da agricultura familiar na segurança alimentar e na produção de alimentos, tendo em atenção entre outros os seguintes fatos e números divulgados pela FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura):

  • Existem mais de 500 milhões de propriedades agrícolas familiares;
  • Elas representam mais de 98% das explorações agrícolas;
  • Elas são responsáveis por, pelo menos, 56% da produção agrícola em 56%
  • da terra;
  • Os agricultores familiares também trabalham uma parcela significativa
  • das terras agrícolas mundiais, sendo as médias regionais as seguintes:
              • 85% na Ásia,
              • 62% na África,
              • 83% nas Américas do Norte e Central,
              • 68% na Europa,
              • 18% na América do Sul.

De acordo com os promotores da iniciativa, pretende-se aumentar a visibilidade da agricultura familiar, focalizando a atenção mundial no importante papel que desempenha na erradicação da fome e pobreza, na provisão de segurança alimentar e nutricional, na melhoria dos meios de subsistência, na gestão dos recursos naturais, na proteção do meio ambiente e no desenvolvimento sustentável, particularmente nas áreas rurais.

INFORMAÇÕES SOBRE A AGRICULTURA FAMILIAR EM PORTUGAL

Em Portugal, a estrutura familiar dos produtores assegura 80% de toda a mão de obra agrícola, envolvendo 790 mil pessoas, o que embora possa ser considerado um número significativo, representa menos 445 mil pessoas do que em 1999 (INE). Apesar deste declínio, Portugal ainda se encontra acima da média da União Europeia, onde o peso desta força laboral é de 77%.